Recados e Novidades

Meu facebook:
http://www.facebook.com/?ref=tn_tnmn

Para troca de livros:

Projeto Palavras Cruzadas:

"Já é vender a alma não saber contentá-la." Albert Camus - O Mito de Sísifo.

O projeto 'Palavras Cruzadas' promove encontros mensais (segundo sábado de cada mês) em que são lidos e discutidos trechos de obras importantes da literatura e filosofia surgidas à partir do século XX.

No encontro do dia 13/07 o livro utilizado será 'O Mito de Sísifo' de Albert Camus.

O evento começa às 15h30min.

A coordenação é de Vanessa Molnar, historiadora (USP) e escritora e Fábio Donaire, estudante do Bacharelado em Ciências e Humanidades (UFABC). Estamos localizados na Rua Professor José Franco, 166 – Bangu (a 10min da UFABC de Santo André, na rua do restaurante Frangasso).

A entrada é franca.


quarta-feira, 28 de março de 2012

A dura vida do escritor


Já escrevi sobre a dura vida de escritor. Sinto que neste momento estou próximo de atingir o meu objetivo: Escrever bem.

Lógico, ainda há muitas coisas pra se aprender, principalmente nos quesitos pontuação.

Eu montei um texto, onde eu parafraseei o capítulo VI do “O Idiota” de Dostoievski. A história se divide em 3 partes:
0    
       1)      O condenado aguarda a sentença de morte.
       2)      Numa processo pré-morte a personagem se desprende do corpo e vai para um mundo etéreo.
3     3)      A volta para o mundo real e sua morte.

O Enredo é basicamente esse. A personagem é ambientada numa masmorra da França monárquica e no mundo etéreo numa paisagem pantaneira que ele faz par com uma capivara.

Desceram a lenha no meu texto pelos seguintes motivos:

 1)      Como pode um francês reconhecer uma capivara?
 2)      Disseram que havia erros de pontuação.

Quantos aos erros de pontuação não sou professor de português e não domino as regras de gramática, mas não enxerguei erros tão crassos assim apontados.

Quanto ao primeiro achei uma total falta de imaginação das pessoas. Meu colega Will Rocha também achou isso, deu até um exemplo do filme Titanic:

Há uma cena no filme onde golfinhos nadam a frente do navio, mas como? Se ele navegava em águas geladas? E golfinhos são animais que vivem em águas quentes?

Alguém falou mal do diretor, por fazer essa burrada?

Isso me deu certo alento, à noite eu fui para a Escola Livre de Literatura, onde estou aprendendo muitas coisas. (Assim que possível escreverei mais a respeito).

E o professor/escritor Flávio Mello, um baita escritor, nos mostrou um vídeo do programa Provocações do Antonio Abujamra onde ele entrevista Marçal Aquino.

Simplesmente Marçal Aquino explica a vida do escritor, vou postar somente a primeira parte. Pra quem sofre por ser escritor veja o que o Aquino falou:

Paralamas do Sucesso - Lanterna dos Afogados

Este show foi realizado no Sesc Santo em 02/2009, eu tenho alguns vídeos/fotos dos shows que eu costumo ir e aos poucos eu vou publicá-los no blog.

segunda-feira, 26 de março de 2012

A idade quando chega


A idade quando chega.
Trás uma reflexão.
Que abre a chaga.

Faço o que não gosto.
Pois não tenho opção.
A lágrima desce do rosto.

Mas como uma criança.
Mantenho minha esperança.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Adeus Chico Anysio!


A estória dos sete bilhões


O semeador planta e não desiste.
Mesmo que a terra seja um deserto.
Ele ara o solo com toda fé.
É preciso viver para semear.

As nuvens com água geram a vida.
Elas demoram a chegar, o lavrador tem paciência.
Pois é virtude para seu imenso coração.
Mas é preciso semear para florescer.

A chuva não pode ser exagera.
Se não a planta não cresce e morre.
Tão prematuramente, pois não é forte.
É preciso florescer para o Sol sorrir. 

Andar devagar para não apressar o relógio.
Andar depressa para o tempo não passar.
Andar normalmente para curtir o ambiente.
É preciso o Sol da manhã para ter paz.

O Sol a manhã é um só.
Mas para cada pessoa que saí de casa.
As manhãs se tornam diferentes.
É preciso paz para se ter fé.

A estória dos sete bilhões.
A cada um de nós que fazemos.
Algumas tristes e outras felizes.
É preciso ter fé para se viver.

terça-feira, 20 de março de 2012

Macedo X Valdemiro



Quem me acompanha, sabe que eu evito falar de religião, apesar da minha formação teológica. Muito por conta que o blog não tem por intuído converter ninguém.

Entretanto não pude me furtar de comentar a reportagem do sujo falando do mal lavado. (A reportagem da Record falando sobre Valdemiro Santiago). Na minha vivencia trabalhando em igrejas, sei bem como funciona os bastidores.

Isso me entristece muito, pois a mensagem de Cristo é de desprendimento das coisas do mundo e não de consumismo; embora, penso eu, que a culpa do sucesso da “Doutrina da Prosperidade” é das pessoas. Sim, pois ela trabalha justamente no que o ser humano tem de mais latente: A ganância.

Você pode estar se perguntando: E as pessoas humildes? Oras, não sei se isso é justificativa para alguma coisa. Normalmente a “Doutrina da Prosperidade” trabalha em cima do ego da pessoa com performances pirotécnicas e psicológicas. (Nietzsche explica bem esse conceito na Genealogia da Moral).

Quem tem um mínimo de moral. Não permanece nesse esquema, seja como frequentador, membro, obreiro ou pastor.

Qualquer um que estiver pré-disposto a se iludir cairá no canto da sereia. (Tipo Herbalife).

O que mais me assusta é que uma igreja, como a Universal, tem um veiculo poderosíssimo de comunicação e planta a propagando/reportagem que quiser para atacar seus desafetos, além de ter toda uma base político, incluindo senadores e ministros. Todos trabalhando em pró de brindar a igreja.

A minha esperança é que quando estes senhores forem prestar contas com as autoridades divinas. Essa estrutura de poder se quebre e essas igrejas deixem de existir, ao menos, na formula como são concebidas hoje.

É tudo charlatão e aproveitador?

Não. Existem excelentes pastores e padres que cumprem seu papel social que é servir a população e não se locupletar com a fé das pessoas.

O importante é continuar a busca, ainda que sozinho. Eu creio que Deus, cedo ou tarde, nos mostrará o caminho a seguir, por ora deixo a mensagem de Cristo em relação ao episódio:

Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que fechais aos homens o reino dos céus; e nem vós entrais nem deixais entrar aos que estão entrando.

Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que devorais as casas das viúvas, sob pretexto de prolongadas orações; por isso sofrereis mais rigoroso juízo.

Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que percorreis o mar e a terra para fazer um prosélito; e, depois de o terdes feito, o fazeis filho do inferno duas vezes mais do que vós.

Mateus 23:13-15

Desculpem-me se o texto ficou moralista, mas é o que sinto.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Chuva Tenebrosa



O céu com fogos de artifícios deram lugar a nuvem cinza e a procela castiga as obras dos homens como um flagelo, entra ano e saí ano os mesmos planos, as promessas, os mesmos choros, as mesmas mortes.

Até quando irão lutar contra a natureza?

sexta-feira, 16 de março de 2012

Encontro com Rama I



Este ano vou encarar mais uma quadrilogia do mestre Arthur Clarke e este livro trata-se de um asteróide vindo em direção da Terra na qual os astrônomos batizaram de ”Rama” (Deus do panteão hindu).

Mas após as devidas analises percebe-se que Rama na verdade é uma nave espacial e uma equipe é mandada pra lá para investigar e havia pouco tempo, pois a nave se aproximava do Sol.

O que será que há dentro de Rama?

Será que a nave se fixará no sistema solar? (Quem falar que ó Niburu, já digo que Niburu é pra jacu!)

Tudo isso não é respondido neste primeiro volume ficando todos esses mistérios abertos, para quem gosta de ficção cientifica espacial é um excelente prato.

Até a próxima!

domingo, 11 de março de 2012

O que Nietzsche me ensinou


            Schopenhauer foi um filosofo pessimista do século XIX e uma das coisas que ele “pensou” foi: “Só existe uma maneira do homem se livrar do sofrimento, ainda que temporariamente, é através das artes”.
                Não sou dado a estas filosofias pessimista, mas neste caso, devo concordar, pois quanto mais me aprofundo nas artes, principalmente nas eruditas, mais eu me encontro com meu eu. E começo a dar algum sentido na minha vida.

                Um discípulo de Schopenhauer, chamado Nietzsche, terror do cristianismo. Tentou compreender o sentido da felicidade humana e da onde nos encaixamos neste mecanismo cósmico.
                Ele descobriu que, há pelo menos 2600 anos, vivemos um mundo socratiano, reforçado por Platão, Esdras (Líder judeu que organizou a Torah), Cristo e Maomé, ou seja, a busca do homem perfeito.
                Vejam: Desde quando nascemos à sociedade idealiza um biótipo de ser humano que você deve ser. Além dos tipos de atitudes que você deve tomar.
                Nós vamos à escola, nos formamos em advogado, médico ou engenheiro. Casamos-nos, pagamos nossas contas, devemos ser bons pais, bons cristãos, ajudar os menos favorecidos e etc.
                Praticamente todas essas coisas são impossíveis de serem realizadas, pelo simples fato de que somos imperfeitos, ora isso é mais acentuado nas mulheres que devem além de tudo isso, ainda serem boas amantes na cama.
                Se nos exultamos com alguma coisa, isto é arrogância. Mas se nos colocarmos em flagelos, isto é humildade.
                A religião é um mecanismo dos homens para controlar a sociedade. Na idade média a ideia do inferno era para refrear qualquer pensamento contrario ao sistema feudal existente na Europa.
                Quando os cristãos protestantes americanos começaram a enriquecer, estes mesmos inventaram a Teologia da Prosperidade para justificar esta riqueza, logo isso se espalhou se pelo mundo e principalmente no Brasil.
                Por isso é importante separar fé de religião. A fé é trazer para realidade as coisas que estão ocultas. A fé é trazer uma lógica para o caos do mundo.
                Creio que Nietzsche questionou as coisas que escrevi acima, e não que era inimigo número 1 de Deus, na verdade, ele era contra o status quo da hipocrisia reinante neste modelo de mundo.

                O que a artes tem haver com isso?

Nietzsche estudou os filósofos pré-Sócrates e descobriu que eles organizavam o caos ou mitos, dentro das artes.  Sócrates simplesmente quis acabar com tudo, procurando mostrar a vida em sua realidade concreta.
Convenhamos, a vida concreta é muito dura para se encarar e através das artes, conseguimos aliviar nosso sofrimento, mesmo que momentaneamente.
O segredo da felicidade está nas artes.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Filhos do Éden


Nas minhas férias eu estava na livraria procurando alguma coisa legal para ler e me deparei com o segundo livro do Eduardo Sophr, “Filhos do Éden - Herdeiros de Atlântida”.
Eu havia gostado muito da “A Batalha do Apocalipse” e tinha a expectativa que o 2º livro não fosse tão bom quanto o primeiro. (Geralmente é isso que ocorre).
De fato não achei melhor o começo é um pouco arrastado e depois melhora bastante.
No geral acabei  gostando muito e recomendo,
A historia fala sobre a ishim Kaira a serviço do arcanjo Gabriel (Teologicamente Gabriel não é um arcanjo e sim um anjo, mas isso e outro assunto), que tentará impedir que as hordas do arcanjo Miguel possuam um vértice para o 3º céu, onde as almas boas dos homens repousam.
Há elementos de romance, honra e traições tudo que o uma boa história precisa e algumas reviravoltas, como a inclusão do anjo errante Denyel que faz o par romântico com Kayra.
Este é o primeiro livro de uma sequencia que não sei se virará uma trilogia, quadrilogia ou decadologia.
Vamos ler o livro, além de ser barato é um autor nacional de qualidade.

segunda-feira, 5 de março de 2012

A Colonização Espacial e a Ecólogia.




Uma das coisas que ultimamente anda me chamando atenção e deixando-me ansioso é a descoberta de planetas na zona habitável com tamanho da Terra (com quais características ainda não se sabe, devido a distância).

Eu sempre imaginei o universo como o de Jornada nas Estrelas até ler o Universo Numa Casca de Noz, onde Stephen Hawking, simplesmente acaba com minha ilusão, mas essas ultimas descobertas demonstram que até mesmo Hawking e Einstein (Juntamente com Newton formam a triáde da ciência), entraram em cheque.

Uma das teorias de colonização espacial diz que as estrelas serão colonizadas pelos humanos, tal qual no livro Encontro com Rama de Arthur Clarke, essa situação me parece a mais plausível. Isso já está acontecendo, com o envio das robôs marcianos. Só não está mais agudo, porque faltam a viabilidade econômica e a necessidade urgênte.

Creio que até o fim deste século já teremos colônias na Lua e em Marte e estaremos levando os primeiros colonizadores para as luas de Júpiter e Saturno, mesmo porque estamos exaurindo os recursos do planeta Terra (Daí vem a necessidade).

Acho muito piegas e falso o discurso ecologista atual. Quem aqui quer ficar, ao menos uma vez por semana, sem tomar banho quente, ficar sem ver televisão ou não ter luz elétrica?

Porque nós que moramos no sudeste temos direito de ter todo o conforto da tecnologia, quanto que as pessoas da Amazônia tem que se preocuparem com o macaco-prego?

Nada contra o mação-prego, acho que devemos preservá-lo, mas o discurso ecologista me soa demagogo. Deve-se proteger a flora e a fauna, mas não dão uma solução sustentável para as pessoas criarem seus filhos dignamente.

Na verdade, nós sabemos o que há atrás da maioria dessas Ongs: Roubalheira, lavagem de dinheiro e falta de fiscalização.

Se tivermos domínio de uma tecnologia de terra-formação, logo poderíamos ter vários planeta que seriam  verdadeiros santuários da fauna e da flora. Poderíamos até ressuscitar os temíveis dinossauros e conhecer in-loco seus comportamentos

Por este motivo, acredito que em breve a colonização do espaço será viável. E a nação que dominar esta tecnologia estará, literalmente, anos luz a frente de outros povos, além de perpetuar a raça humana.

sábado, 3 de março de 2012

Experimento Filadélfia


Eu tenho o hábito de assistir filmes antigos não pelo fato de ser antigos, mas pelo bom roteiro, os de hoje por motivos óbvios dão mais primazia aos efeitos especiais. Eu ainda prefiro boas histórias.
Quando criança tinha ouvido falar do Experimento Filadélfia, uma experiência que os americanos fizeram na 2ª guerra, tentando procurar uma ruptura no tempo-espaço para encurtar o caminho para a Europa, mas algo saí errado e uma fenda espacial se abre entre dois tempos 1944 e 1984 e começa o drama de dois marinheiros.
Eis que um belo dia eu o achei sem querer para download e baixei para máquina e assisti, geralmente filmes de ficção cientifica é 8 ou 80. (São muito ruins ou muito bons).

Como fiquei a vida toda na expectativa desse filme eu simplesmente adorei!
Porque há a mistura de romance, psicológico e sci-fi, tudo em dose bem feita pelo diretor Stewart Raffill, ainda na ativa (http://en.wikipedia.org/wiki/Stewart_Raffill)

Abaixo deixei o vídeo do filme no youtube (Clique no modo tela cheia que fica legal), mas se você quiser assistir numa parte só, basta  procurar no Google, se você é fã de sci-fi e não liga se o filme é Cult, com certeza vai gostar.
See you later.

 
BlogBlogs.Com.Br diHITT - Notícias