Recados e Novidades

Meu facebook:
http://www.facebook.com/?ref=tn_tnmn

Para troca de livros:

Projeto Palavras Cruzadas:

"Já é vender a alma não saber contentá-la." Albert Camus - O Mito de Sísifo.

O projeto 'Palavras Cruzadas' promove encontros mensais (segundo sábado de cada mês) em que são lidos e discutidos trechos de obras importantes da literatura e filosofia surgidas à partir do século XX.

No encontro do dia 13/07 o livro utilizado será 'O Mito de Sísifo' de Albert Camus.

O evento começa às 15h30min.

A coordenação é de Vanessa Molnar, historiadora (USP) e escritora e Fábio Donaire, estudante do Bacharelado em Ciências e Humanidades (UFABC). Estamos localizados na Rua Professor José Franco, 166 – Bangu (a 10min da UFABC de Santo André, na rua do restaurante Frangasso).

A entrada é franca.


quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Primeira crise existêncial de 2010


Em cima da canção de Sergio Sampaio que eu publiquei (Dona Maria de Lurdes). Fiquei pensando numas coisas que há tempos me incomoda.


Eu sou aquele sujeito que acorda cedo, vou para o trabalho e fico até tarde, porém, acho eu, tenho uma compensação financeira boa.

Fui o aluno mais dedicado da minha sala, e portanto, tenho o melhor emprego, nada mais justo.

Todavia não consigo tirar 20 dias de folga para passear com a família, ou simplesmente ficar em casa sem fazer nada.

Entre meus amigos de orkut há uma moça com quem eu trabalhei uns anos atrás no telemarketing.

Quanto uma pessoa de telemarketing ganha? R$ 800,00? Um pouco mais ou um pouco menos?

Eu sei que ela trabalha hoje numa outra empresa de telemarketing, casou-se e seu marido trabalha como auxiliar de escritório num escritório mequetre aqui de Santo André, deve ganhar mais ou menos nesta faixa salarial.

Fiz toda essa introdução para fazer uma comparação:

No fim do ano eu passei uma semana, diga-se de passagem chuvosa, no meu pequeno sitio em Atibaia, logo voltei para minha rotina de preocupações e estresse.

Esses meus amigos, pasmem, passaram o seu final de ano em Cancun, e não apenas uma semana, mas 15 dias.

Ai, perguntei-me:

-Qual é o segredo?

Meus velhos amigos de faculdade vão pipocando de emprego em emprego, sempre reclamam que tão duros, mas sempre estão viajando, curtindo a vida, trocando de carro e etc.

Talvez você esteja pensando:

-Puxa vida, Amadeu. Você está com inveja.

Talvez você esteja certo no teu pensar, às vezes, penso em fazer a mesma coisa, mas as contas, ah benditas contas, não deixam.

Pago tudo religiosamente, não gasto mais do que tenho e penso no futuro. Faço uma dessas previdências privadas, vou juntar uma boa grana e depois... vou morrer.

Eu sei que tem algo errado, mas não vejo onde. E como o Sergio diz:

-E onde quer que eu esteja. Eu não estou.

Resumindo tudo:

-Há coisas que só o tempo vai dar razão ou não.

Dona Maria de Lourdes

De: Sergio Sampaio


Os automóveis estão invadindo
A simpli(s)cidade
Enquanto a gente se arrasta
Eu prefiro isso aqui

Os automóveis são livres e agora
É preciso coragem
Olho meu rosto no espelho
E depois vou dormir

Entre as flores escondidas
Do riacho
Por debaixo do que der
Do que vier

Escondido das notícias
Entre as feras
Nas revistas sem assunto
Meu amor

O auditório aplaudiu a canção
E eu cantei novamente
Fique de olho na vida
O sinal vai abrir

O auditório aplaudiu
Mas cuidado com a porta da frente
Dona Maria de Lourdes
Não espere por mim

Que eu estou no paradeiro
Dessa gente
Quem morreu, quem teve medo
Quem ficou?

Eu estou no bar do Auzílio ou na igreja
E onde quer que eu esteja
Eu não estou

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

BLACK-OUT


Estava escrevendo meus poemas.
Quando as trevas consumiram a luz.
Pensei que o além armava suas tramas.

Era apenas uma brincadeira de criança.
Transportei-me para o tempo das cavernas.
E convidei minha menina para uma dança.

Ficamos perdidos na seda escura da noite.
E adormecermos após um amor alucinante.

domingo, 17 de janeiro de 2010

Vida e obra de Sergio Sampaio

Fonte: Wikipedia


Sérgio Moraes Sampaio foi um cantor e compositor brasileiro, nascido em Cachoeiro de Itapemirim (Espírito Santo) em 13 de abril de 1947 e falecido no Rio de Janeiro em 15 de maio de 1994.

Carreira
Após ter sido radialista em Cachoeiro, Sérgio foi tentar a carreira musical no Rio de Janeiro. Contratado pela CBS (hoje Sony BMG), Sérgio lançou ao lado de Raul Seixas o álbum Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das 10 em 1971. No ano seguinte, lançou a marcha-rancho Eu Quero É Botar Meu Bloco na Rua no Festival Internacional da Canção. A música se tornou sucesso nacional e deu nome ao primeiro disco solo de Sérgio. Apesar do sucesso do compacto do Bloco, o LP não foi bem-sucedido, em parte pelo comportamento displicente de Sérgio, que se dedicava mais à vida boêmia carioca do que à divulgação do álbum.

Já com o rótulo de "maldito" da MPB, Sérgio passou por várias gravadoras e lançou um álbum independente. Alcoólatra, só se recuperou do vício na década de 90, mas acabou falecendo antes de retornar a carreira. Revista Pontozero .

Cronologia

1947
Sérgio Moraes Sampaio nasce a 13 de abril, em Cachoeiro de Itapemirim, filho de Raul Gonçalves Sampaio, fabricante de tamancos e maestro de banda e Maria de Lourdes Moraes, professora primária.

1956
Começa a ajudar o pai na tamancaria. Na escola é aluno aplicado, eventualmente o melhor da classe: Dona Maria de Lourdes o colocava para estudar em casa todos os dias.

1963
Fica vidrado no samba "Cala a boca, Zebedeu", de autoria de Seu Raul, inspirado numa vizinha da Rua Moreira que espinafrava o marido diariamente. O apelido do sujeito era "Fulica".

1964
Ingressa como locutor na XYL-9, Rádio Cachoeiro. Torna-se um fã do samba-canção de Orlando Silva, Nélson Gonçalves e Sílvio Caldas.

1965
Passa três meses de experiência como locutor da Rádio Relógio Federal, no Rio de Janeiro. Retorna a Cachoeiro para servir no "Tiro de Guerra" local. É detido freqüentemente por trocar os pernoites por incursões aos bares e bordéis cachoeirenses.

1967
Mudança definitiva para o Rio de Janeiro, para tentar a vida como locutor ou cantor-compositor.

1969
Passagens pelas rádios Rio de Janeiro, Mauá e Carioca. Ingressa na rádio Continental, onde conhece Erivaldo Santos, parceiro no pimeiro samba feito no Rio, "Chorinho inconseqüente", mais tarde incluído no LP "Sociedade da Grã-Ordem Kavernista apresenta Sessão das Dez".

1970
Novembro: acompanha ao violão o compositor Odibar, parceiro de Paulo Diniz em "Quero voltar para a Bahia", num teste na gravadora CBS com o então produtor Raulzito. As músicas de Odibar não agradam e Sérgio canta composições suas como "Coco verde" e "Chorinho inconseqüente". Na saída, Raul Seixas lhe diz ao pé do ouvido: "Volte amanhã".

1971

Janeiro: assinatura do contrato com a CBS. Sérgio e Raul se tornam amigos. Com Raulzito, Sérgio conhece o rock e o pop internacional em geral. Abril: "Sol 40 graus", com o Trio Ternura, é a primeira letra de Sérgio Sampaio a ganhar as rádios. Ele assina a música como "Sérgio Augusto" e seu parceiro Ian Guest, como "Átila". No mesmo ano compoe "Minha miragem" em parceria com Ian, música até entao inédita.

Junho: compacto "Coco verde/"Ana Juan", direção artística de Raul Seixas e arranjos de Ian Guest. O disco toca muito, devido à ajuda de amigos disk-jockeys de Sérgio, mas vende pouco.

Setembro: LP "Sociedade da Grã-Ordem Kavernista apresenta Sessão das Dez", com Raul Seixas, Míriam Batucada e Edy Star, que causa na época o maior fordunço na gravadora CBS. Também pudera: o disco era uma verdadeira sessão de escracho musical, uma coleção de pastiches de rock, samba e ritmos nordestinos, com letras sarcásticas, entremeadas por piadas e sátiras ao cotidiano em forma de vinhetas malucas.

Outubro: Sérgio participa do VI FIC com "No ano 83", de sua autoria. A seu lado, nos vocais, Jane Vaquer, futuramente conhecida como Jane Duboc.

1972
Março: conhece o guitarrista Renato Piau nos corredores da CBS.

Abril: compacto "Classificados nº 1"/ "Não adianta". Direção artística de Raul Seixas.

Setembro: Pelas mãos de Raul Seixas, que já estava na gravadora, Sérgio ingressa na Phillips, dirigida por André Midani, para trabalhar com o produtor Roberto Menescal. Gravação de "Eu quero é botar meu bloco na rua", inscrita no VII FIC, com presença de Piau no violão, Ivan Machado no baixo, os "Cream Crackers" na percussão, Raul Seixas e membros dos Golden Boys no coro.

Outubro: estouro no FIC com o "Bloco", que invade as rádios de todo o Brasil. Em poucos meses, vendas de mais de 300 mil compactos.

Dezembro: Sérgio contrai tuberculose, mas ainda assim começa as gravações de um LP para a Phillips, com produção de Raul Seixas, e na banda de apoio Renato Piau, o tecladista José Roberto Bertrami, o baixista Alex Malheiros e Ivan "Mamão" Conti na bateria. Também participam os "Cream Crackers" e o baterista Wilson das Neves.

1973
Março: sai o LP "Eu quero é botar meu bloco na rua". Mesmo contendo a música de grande sucesso, torna-se um fracasso comercial e de crítica. No entanto, permanece até hoje como o disco preferido da maioria dos sampaiófilos. Apesar da boa execução nas rádios de músicas como "Viajei de trem", uma toada-rock de alta lisergia, a valsa pop "Leros & leros & boleros" e os sambas "Odete" e "Cala a boca, Zebedeu", a vendagem não ultrapassa as 5 mil cópias.

Maio: apresentação na série de shows "Phono 73", em São Paulo.

Outubro: Sérgio recebe o "Troféu Imprensa", o "Oscar brasileiro", do programa "Sílvio Santos", na TV Globo, como "Revelação de 72".

1974
Janeiro: compacto "Meu pobre Blues"/ "Foi ela". A primeira, uma lírica e dúbia elegia ao seu ídolo de juventude, Roberto Carlos. A segunda, um samba com feeling de rock, cadenciado e envolvente.

Abril: casa-se com Maria Verônica Martins (Ponka), numa cerimônia hippie em Cachoeiro. Aplica um beijo na testa do Juiz de Paz no final.

Junho: rescinde o contrato com a Phillips e retira-se por algum tempo em Mimoso, cidade próxima a Cachoeiro, onde compõe o samba "Velho bandido".

1975
Janeiro: retorna ao Rio e ingressa na gravadora Continental.

Junho: compacto "Velho bandido"/"O teto da minha casa", com produção de Roberto M. Moura e arranjos do violonista João de Aquino.

Novembro: sua marchinha "Cantor de rádio" é incluída no LP "Convocação Geral nº 2", da Som Livre.

1976
Janeiro: show "O pulo do gato", da SOMBRÁS, no Teatro Casa Grande, com Jards Macalé e Dona Ivone Lara. Entre maio e junho, gravações e lançamento do LP "Tem que acontecer", muito elogiado pela crítica mas pouco executado nas rádios.

1977
Março: compacto "Ninguém vive por mim / História de boêmio(Um abraço em Nélson Gonçalves).

Junho: cancelamento de um novo LP para a Continental seguido da rescisão do contrato.

Agosto: show no Teatro Tonelero, organizado por universitários, com Fagner, Zé Ramalho, Geraldo Azevedo e Lô Borges.

1978
Junho: internação no Hospital Miguel Couto do Rio com uma crise de pancreatite.

Novembro: lota por uma semana o Teatro Opinião, do Rio, com o show "Agora".

1979
Julho: temporada de 15 dias na Sala Funarte/Sidney Miller, no Rio, ao lado do compositor Carlos Pinto.

1982
LP independente "Sinceramente". Um trabalho denso e confessional, enfocando ao mesmo tempo as diversas facetas pessoais e artisticas de Sampaio. Lançado em meio à explosão de ursinhos blau-blaus, batatas-fritas e folias na praia da "niuêive" carioca, o disco passa despercebido.

1983
Fevereiro: nasce João Sampaio, da união com Angela. O compositor Xangai (Eugênio Avelino) é o padrinho.

1986/87
Mesmo os mais atentos fãs acham que Sampaio abandonou a carreira. Raramente se ouve falar nele. Seus discos viram peças de colecionador, disputados a tapa nos sebos de todo o país. Letras como as de "Meu pobre Blues" ou "Ninguém vive por mim", músicas lançadas apenas em compacto, são cultuadas e reconstituídas verso a verso pelos "sampaiófilos" de carteirinha. Os 80 são realmente um habitat muito ingrato para Sampaio: nenhuma música no rádio, magros direitos autorais e escassos shows, quase sempre em bares e sem nenhuma cobertura da mídia. Na vida pessoal, o alcoolismo minando dia a dia suas forças. Ainda assim, o artista continua compondo regularmente e cada vez melhor suas novas músicas, que apresenta nos shows lado a lado com seus cavalos de batalha.

1988
Outubro: temporada de 10 dias na Sala Funarte, do Rio, com Jards Macalé.

1989
Encontra com Raul Seixas em São Paulo. O Sérgio se assusta com o estado do amigo. O encontro foi gravado em video pelo RRC.

1990
Novembro: shows no Segredo de Itapuã, Bahia, ao lado de Xangai. Sérgio começa a namorar a produtora de shows Regina Pedreira e resolve mudar-se para a Bahia.

1991/92
Os ares baianos fazem muito bem a Sampaio, que vivencia uma espécie de renascimento artístico e pessoal. Novas composições e diversos shows em bares da periferia de Salvador e em outros estados nordestinos.

Outubro/92: participação no show "Baú do Raul", na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, na Bahia, cantando músicas do LP "Sociedade Kavernista...".

1993
Fevereiro: no aniversário do filho João, Sérgio anuncia que deixou a bebida. Ao longo do ano, shows em Brasília, Goiânia, Vitória e Rio de Janeiro.

1994
Janeiro: Convite do selo paulista Baratos Afins para gravação de um CD de inéditas.

Abril: aniversário no Rio com presença de amigos como Sérgio Natureza, Chico Caruso e Luiz Melodia.

Maio: internação no CTI do Hospital IV Centenário com crise aguda de pancreatite. Sérgio estava muito debilitado, nao queria ser visto por ninguem, falece às 5 da manhã do dia 15 de maio. Poucas pessoas acompanham o enterro, sinal de abandono, a midia pouco se falou. O maldito descansava...

2006
Depois de muito tempo esquecido, enfim a volta: lançado o CD "Cruel", produzido por Zeca Baleiro, com 12 canções inéditas de Sérgio Sampaio, interpretadas por ele em gravações caseiras, agora remasterizadas



sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Nuvens Distantes


Sim amigo ! É assim o jeito que eu gosto.
Quando o Sol se põe no mês de agosto.
Quando o tempo passa vagarosamente.
Quando eu controlo a minha mente.

Hoje agônia contida cobre o meu ser.
Para longe no horizonte em mar aberto.
Onde o inferno e o paraíso ficam perto.
Num romance para que eu possa escolher.

Oh vida !!!
Tão meticulosa e tão maravilhosa.
Quantas alegrias ou tristezas, você ainda vai me dar ?

Publicada no livro: Letras do Novo Milênio

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

A PAZ DO MAR


Solidão do Sol no mar.
A inspiração fica no ar.
Eu aqui espero minha amada.
Que sempre vem resignada.

Os peixinhos não têm forças.
De competir com estas ondas.
Os barquinhos eu vejo de longe.
E as gaivotas o céu exige.

Uma paz interior me cobre.
E meus olhos se cansam.
Neste encantamento nobre.

O tempo esqueceu-se de adiantar.
As ondas nos ouvidos sopram.
E lá que eu quero descansar.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Castelos de Areia


Dia quente de verão, ele chegava bem cedo à praia e começava a construir castelos de areias, porém não eram castelos bonitos, mas sim amontoados de areia, na verdade ele estava ali por outro motivo.

Um pouco antes das oito horas, ela passava com seus cabelos soltos ao sabor da brisa, parecia que ela dançava pelo calçadão.

Enquanto ele observava as ondas destruíam os castelos, imaginava dançando com ela numa festa de casamento, num cavalo tordilho, indo para a lua-de-mel, no melhor dos castelos.

Imerso em seus devaneios, um camelô, amigo, o chamou e ele se irritou, odiava quando seus sonhos eram quebrados e quando voltou a olhar para o calçadão, a moça já estava longe das vistas.

Olhou para seus castelos destruídos, mas nem se importou, pois sabia que todos os dias poderia construir aqueles castelos, sendo assim, todos os dias ela estaria ali, passeando, alimentando sua ilusão, combustível do seu viver

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

A Busca


Todas as formas que elucidam o universo.
São maculadas por homens sem emoções.
Não sabendo distinguir o fundo do raso.
E grandes fardos caem em nossos corações.

Sinuosa é a estrada que nos leva a algum lugar
Somos como as montanhas de neves imponentes.
Com avalanches, as criaturas, queremos acabar.
E por baixo da geleira se esconde o nosso antes.

Ainda que eu ande pela contra-mão da estrada.
Mesmo que o vale das sombras se volver no real.
O majestoso dos espíritos conduz a minha jornada.
Transformando em sabedoria minha mente animal.

Para que a aurora do dia eterno desnude o universo.
E a todos que estão com um vazio dentro da alma.
Ouvirão os anjos e santos clamando o mesmo verso:
“Tenho amor e felicidade e vivo agora com calma.”

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Platônico


Era final de 1996, foi quando eu te conheci e naquele dia eu sabia que tinha encontrado a minha alma gêmea, não sei por que, mas eu achava que você se chamava Suzana, acho que tinha sido um sonho que eu tive e tremi as pernas quando me confirmou o seu nome.

Passei o ano seguinte tentando declarar meu amor por você, e fiquei assim durante o ano todo, seu olhar pueril era algo que me desencorajava, vai que o encanto acabe, vai que eu faz-te conta acabe, mas quando chegou dezembro de 1997, entrei na escola e vi você conversando com o cara mais rico da cidade, eu vi o meu mundo...

                                                                       C
                                                                       A
                                                                       Í
                                                                       N
                                                                       D
                                                                       O
                                                                       !

E depois disso nunca mais lhe vi e daí já se foram 12 anos. E hoje 2009, próximo a dezembro, num bar jazzístico, você aparece vestida de preto e percebi como fui tolo, como joguei fora 12 anos da minha vida.

Não vou esperar mais nem um segundo, não consigo falar, pois você me inibi, mas posso escrever, então neste dia chuvoso, pode olhar pela janela, estou ali todo ensopado, esperando uma resposta sua:

- Daniele, quer casar comigo?

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

SENTIMENTOS A BEIRA MAR



A brisa bate em meu rosto, uma tristeza inunda minha alma, porque há tempos eu estou esperando alguém que viria do longínquo, após o equinócio da primavera.


A orla de água gélida, tal qual o meu coração de pedra basáltica, trazia sentimentos confusos, e ao mesmo tempo, simples e fáceis de serem resolvidos.

Porém como os caranguejinhos que se escondem nos pós com medo das maretas enfurecidas, escondo meus escritos com medo de serem revelados, principalmente, para aquela que meu coração palpita há tantos anos.

Nem sei por que sofro assim? Daqui a outros quarenta anos estarei com oitenta anos, e talvez, a vida seja mais colorida do que agora, porém a ampulheta estará quase vazia e o meu tempo por esta terra esgotado.

Então, olhando o firmamento iluminado. A questão que não quer calar:

-Por que eu faço isso comigo?

Mas antes da costa mais famosa do Rio de Janeiro sucumbir, o amor não me pregara mais peças, acho até que darei boas risadas destes últimos quarenta anos.

Integrarei-me a glória do universo e a felicidade desabará como vagalhão desenfreado, e finalmente estarei tão junto de Deus que poderei ouvir as próprias batidas do meu coração impulsionando o esplendor de toda a natureza.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Programado



A formiga trabalha cegamente e vive numa consciência coletiva que faz cada um dos seus habitantes trabalharem, sem questionar nada, tudo isso para o bem comum do formigueiro.

Fiquei a pensar:

- Por que será que os homens são assim, tão dependentes do seu trabalho?

Fui investigar e por um triz, quase descobri, quem programava a sociedade, mas me assassinaram no dia 15 de agosto e esqueci tudo que havia investigado.

Desde então, um sentimento me martela todos os dias:

-Por que eu faço coisas que não gosto de fazer?

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Matar o Hoje




Matar o hoje para não viver o amanhã.
É a minha rotina quando é de manhã.
É o vento secando meus cabelos.
Sou eu apertando meus passos.

E são só questões de segundos...
E é só esperar e ver os doidos.
Correndo sem direção pelas ruas.
Em consternações ímpias e nuas.

As escadarias que aqui me trazem.
Fazem meus ouvidos aumentarem.
E quantas lágrimas você me derruba.
Eu só desejo que meu espírito suba.

E é assim que eu tenho que viver.
Com algum hino dentro do meu ser.
E por algum tempo terá que ser assim.
Até que você se escureça de mim.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

ATLÂNTIDA



A onipotente cidade.
Que buscava a felicidade.
Mãe de toda a ciência.
Que usou com imprudência.

Cristais energéticos de fulgor.
Que curavam toda a dor.
Vimanas que cortavam o céu.
Mas natureza a fez de réu.

O mar numa noite a engoliu.
E o maremoto tudo destruiu.
E nenhuma lágrima caiu.

Pois ninguém sobreviveu.
Do desastre que ocorreu.
E a grande Atlântida morreu.

domingo, 3 de janeiro de 2010

Recomeço

Bom mais um ano começa, mais uma decada começa e acredito que 2010 será um excelente ano para mim.

Os últimos dois anos para mim foram muito complicados, tive que lidar com situações que permanecem em segredo até o dia de hoje, mas que, graças a Deus, foram resolvidas, a perda do meu pai, além de uma série de situações novas para mim.

Mas tudo isso serviu apenas para me amadurecer e o final do ano demonstrou que tudo vai ser muito melhor em 2010, eu não sou do tipo de pessoa que se abate facilmente, mas estou com grandes expectativas, espero no final do ano escrever que tudo foi concretizado.

Começamos o ano com o 1º número da revista eletrônica "O Absurdo Fantástico", agradecimentos a Lilly, Maga Macaca e o George Pacheco que acreditaram e estão participando deste 1º número o que eu peço aos amigos é que distribuam este arquivo eletrônico pela Internet.

A coletânea contos de verão 2009 - Edição Especial,  já está lançada com o conto "Tilapolândia" de minha autoria, além de outros colegas.
E para Fevereiro, também fui selecionado para mais uma coletânea: "Contos Fantásticos - Edição 2010", o conto escolhido foi "O Mistério da Espiral Azul".
Ambos publicados pela CBJE (Br Letras). Isso quer dizer que estou indo pelo caminho certo, mas o grande projeto ainda está sendo feito

Também gostaria de dar início a nossa oficina literária, para tanto, criamos uma comunidade no Orkut, talvez dali possamos ter material para nossa revista, se você quiser participar o link é o seguinte:

http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=97280244&refresh=1


Quanto o nº 2 da revista se você quiser participar é só envia o conto até o dia 01/03/2010 para o e-mail: barbosapaes@uol.com.br.

Que 2010 seja um ano de realizações.

Namaste!
 
BlogBlogs.Com.Br diHITT - Notícias